Não têm interesse em curar o cancro

Nenhum laboratório tem interesse em investir num medicamento que cura o cancro!
Os laboratórios farmacêuticos estão mais empenhados na compra de eurodeputados que aprovem regulamentação que proíba o cultivo e a comercialização de plantas medicinais na Europa. Os administradores dessas multinacionais é que são um alvo porreiro para a contestação social e política mundial. Tirinho nos cornos é que é.

«…Em primeiro lugar e de importância crucial é o fato do dicloroacetato de sódio ativar a enzima chave que abre as portas da fosforilação oxidativa, a piruvato dehidrogenase (PDH), e assim produzir estruturação da água citoplasmática de uma forma contínua e forte. A estruturação da água intracelular retira a célula neoplásica do “estado de quase morte”, promovendo a diminuição da entropia e o alto grau de ordem informação do sistema termodinâmico celular. Assim sendo a célula não mais precisa proliferar para sobreviver e caminha para diferenciação com todos os direitos e deveres das células normais, incluindo conviver em sociedade e um dia caminhar para morte celular programada: apoptose
Em geral todas as células incluindo as neoplásicas podem morrer de duas formas: necrose ou apoptose.
Na necrose as células morrem fazendo muito alarde isto é, provocando inflamação, inchaço, congestão e dor. É assim que funciona a quimioterapia e a radioterapia acrescendo que estes métodos não distinguem células malignas de células benignas (Felippe JJ – 1990 – 1994-2000 -2001-2002-2003-2004-2005-2006-2007).
Na apoptose as células morrem de um modo discreto, sem provocar inflamação, sem inchaço, congestão ou dor. É assim que funciona o dicloroacetato de sódio (DCA) e muito importante somente as células malignas são atingidas.
Infelizmente, o DCA é órfão de pai, de mãe e de padrinhos, isto é, constitui-se em droga órfã, onde nenhum laboratório tem interesse em investir. Desta forma, não esperamos para o futuro trabalhos financiados pela Indústria aqueles com conflito de interesses não declarados e bem conhecidos dos pesquisadores alertas. Esperamos sim, alguns trabalhos com pouca casuística feitos por pesquisadores independentes, sérios, corajosos e solitários. 
O importante é saber que dispomos de mais um medicamento que pode ser utilizado imediatamente em clínica, porque já foi testado e empregado em vários tipos de patologias nos últimos 30 anos, sem provocar efeitos colaterais.»




3 comentários:

Mena G disse...

Nem ouvi falar...
A última grande inovação que me foi dada a conhecer trata-se de um tratamento à base de ozono que - dizem- faz "milagres". Particularmente, pois claro...
:) Fico-me pelas doses que já me foram administradas...

Maria, Simplesmente disse...

E não lhes dói a consciência...!?
Claro... não têm consciência!
Maria

TheOldMan disse...

O tipo mais perigoso de criminoso, é aquele que nos desperta simpatia com os seus modos afáveis e surpreende pela refinada educação.

O mal é uma questão de método.

;-)