teatrices




«Chegou apressada, nervosa e vulnerável, incapaz de remover o plástico do maço de cigarros que pretendia fumar, iniciando-se tardiamente naquele vício, agora, para lá da meia-idade e perante a reprovação de um neto, dizia. Auxiliada na tarefa de remoção do impertinente plástico, despejou um percentil da vida em sinopse nérvea, implicando o recente desentendimento com o namorado e a toxicodependência do filho, tragédia que lhe provocou uma depressão. Entre o sorriso teatral e a lágrima encenada, deitou-se à arte divinatória decifrando o signo do interlocutor e daí retirando o imperativo em jogar na lotaria, dada a assertividade manifestada. Concluiu a actuação efectuando o último item requerido, o contacto físico, pelos ósculos de despedida que solicitou; e foi-se, com as indicações da papelaria onde poderia comprar um duodécimo – jogo, para si, enigmático -, e a recomendação de se abandonar ao areal e às águas da praia urbana onde aqueles elementos naturais reverberam a força do astro-rei e diluem os achaques psicológicos. Que tenha muita sorte.»
Continuam amadores!

Enviar um comentário