diálogos do ginger ale #1

Ele: … e para além de ser tolerantes devemos, sempre, respeitar os outros

Eu: Como, respeitar sempre? Devemos respeitar a imbecilidade?

Ele: E se estiveres errado, se erraste ao identificar a imbecilidade no outro?

Eu: As relações que estabelecemos no quotidiano não se baseiam em juízos que estamos sempre a fazer? Não estamos sempre a julgar e a ser julgados pelos outros? Obviamente, o erro acontece. Mas sem julgar, e sem estabelecer os marcos para a respeitabilidade, como é que norteávamos o nosso comportamento? Dispensava o mesmo sorriso, o mesmo aperto de mão, a mesma atenção a um vizinho humilde ou a um notável concidadão, que dispensava a um velhaco ou a um assassino? Então, não há nenhuma escala de valores, nem obrigação em respeitar normas sociais? Não, não pode ser. Há gente que eu não respeito. Em geral, procuro ignorar tais pessoas mas se entrar em conflito com elas não as respeito, obviamente. Não sou maniqueísta, não divido as pessoas em integralmente boas ou más mas, se o bem e o mal se representam pelo branco e pelo preto, eu vejo o mundo com todas as cambiantes de cinzentos, do mais claro ao mais escuro. E nem acredito inteiramente no branco e no preto.

Ele: Mas olha que devemos respeitar, mesmo o imbecil, se queremos ser respeitados.

Eu: Que capacidade tem o imbecil, de respeitar seja o que for. Como posso esperar que me respeite, pois se é imbecil?! E porque deverei eu, ou porque deveremos nós, respeitar a estultícia, a vacuidade, a idiotia, se estas não passam de coisas nocivas? Isso não é pura perda de tempo e energias? Eu entendo, e ajo, assim. Errar ao julgar os outros é exactamente correr o mesmo risco que os outros correm ao julgarem-me a mim. É uma condição da vida em sociedade.

Ele: ...


5 comentários:

David Oliveira disse...

Ahahah ... respeitá-los ainda vá que não vá. É o menos. O pior, mesmo, é pagar. Como se já não me custasse imenso ter de arcar com os custos da minha própria imbecilidade!
É uma "gaita".
Abraço

francisco disse...

hehehehe... essa dos custos da própria imbecilidade está boa. E não há volta a dar, é pagar.

Mas respeitar, como? respeitar não é permitir (conivente) que persistam?
Eu fujo, quando posso, para não respeitar e não ter de desrespeitar. Quando não posso fugir, desrespeito.

Abraço.

TheOldMan disse...

Só um imbecil tem capacidade para efectivamente respeitar outro imbecil.

Abraço

;-)

jb disse...

a imbecilidade é um estado clinico,a ignorancia pode ser alterada,sobra o caracter.

TheOldMan disse...

Substantivo comum aos dois géneros

im.be.cil

pessoa idiota

Adjectivo

im.be.cil

diz-se da pessoa que diz ou que faz imbecilidades

pessoa de carácter ingénuo

in Wikicionário