excertos para memórias futuras




«Reduzir a História ao racional, a uma perspectiva unicamente científica, ou usar apenas os métodos exactos é amputar esta ciência, enfeudá-la numa região de frieza, e distorcer os factos. Factos históricos que, como todos sabem, são também construídos, porque só um deus ou um ser extra-temporal e extra-espacial, fora das humanas contingências, poderia analisar com total imparcialidade e inteligência um dado acontecimento.
(…)
… Admitir a diversidade sem necessariamente impor um centro (e, por consequência, sem criar periferias ou discriminações) é a forma mais eficaz de admitir que eu sou tão diferente para o outro como o outro é para mim. Pode parecer uma verdade lapaliciana; porém encarar a diversidade não como a ideia que eu tenho do outro, mas como a essência do outro, sem parametrizar ou criar hierarquias, sem conduzir a estereótipos ou simplificações, será uma conquista maior do que as Descobertas ou a Exploração Espacial.»


in “Dar Novos Mundos ao Mundo”: A Retórica dos Descobrimentos Portugueses  e do Programa Espacial Norte-Americano

João de Mancelos
Enviar um comentário